Enquanto a chuva cai lá fora e toca a sinfonia que a gente ouviu tantas vezes juntos, eu estou no sofá pensando o que eu escreveria, se...

A culpa é da noite estrelada*

Por | 23:43


Enquanto a chuva cai lá fora e toca a sinfonia que a gente ouviu tantas vezes juntos, eu estou no sofá pensando o que eu escreveria, se tivesse que me despedir. Escrevi algumas palavras e apaguei. Escrevi novamente e apaguei de novo. Não sei o que dizer. Apenas obrigado.

Você não acredita em destino. Mas já parou para pensar que toda a nossa história foi uma linha traçada pelo destino? Não fosse ele, qualquer outra decisão teria nos afastado. E penso que é o destino o culpado de a chuva cair agora. Não apenas lá fora, mas na minha vida. Vem tempestade por aí. E isso me dá medo.

Lembrei agora de quando comprei aquelas passagens. Eu poderia ir para qualquer parte do Brasil, mas algo me chamava à São Paulo. Era o destino. Além disso, ele me fez escrever aquela primeira carta, o meu email para você. Lembra disso? E o destino me fez reencontrar minha profissão. Estava mais que escrito, estava cravado em uma pedra que era hora de voltar. Você me fez ficar.

Não me diga que não é culpa do destino! Claro que é! Ele me fez perceber que tudo o que fizemos de errado deu certo no final: eu amo você de um jeito diferente, agora. Eu amo você pelo que construímos juntos e por tudo o que você me deu.

A culpa, na verdade, é daquela noite estrelada em que sentamos na areia da praia e tudo o que eu tinha era um relance do seu rosto levemente iluminado pela lua, quando você virou em minha direção e a brisa trouxe seu perfume a mim, e então você disse que não dava mais pra continuar, que a gente tinha que lembrar que tudo havia dado certo, por um tempo. Eu senti vontade de chorar, mas o destino soprou no meu ouvido e então eu percebi que não deveria desistir de você, mas da dor que aquilo poderia me causar.

Percebi que aquelas suas palavras eram a melhor coisa que alguém poderia ter me dito. E que eu poderia ter você em minha vida de outra forma. Pois bem... lá vem novamente o destino. Você foi cúmplice dele e nem percebeu. Ainda não acredita em destino? Como me explica então o fato de que nossa história se reverteu e você me trouxe estrelas? Estrelas de muitos nomes: Mônica, Katy, Christine, Yve, Samantha, Satine, Lindinha.

E só tenho uma coisa para dizer: obrigado! A culpa é sua, é da noite, é das estrelas...

Mas parece que não é pra ser... pelo menos não agora. E então, Sr. Destino, me responda: quando vou ver estrelas novamente?
*Texto de Guilherme Herrera (@guilgoherrera)
Colaboração: Bruna Sousa (@Bruuhs)
Edição/revisão: Tatiane Godoy (@Godovisky)
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial